segunda-feira, fevereiro 16, 2009

"Aqui delRei"! ou "Aqui d'Algodres"!

Entao nao e que passou mais um aniversario deste blogue e nem me lembrei!
Estou a ficar velhote e estas coisas passam, um pouco de falta de saude e de tempo, tambem ajudaram.
Foi no dia 2 de fevereiro de 2006, que decidi que a minha voz se levantaria contra o desanimo e contra a desertificacao da nossa Beira mais alta. Infelizmente e muito devido as razoes apontadas acima, essa voz tem ficado um pouco mais calada, mas nao estou desatento as coisas boas e menos boas, que vao acontecendo por "Terras d'Algodres".
Nao sei se a regionalizacao que provavelmente vai ser debatida na proxima legislatura, vai resolver alguma coisa, mas eu como vejo sempre o copo meio cheio, espero que sim.
A ver vamos como dizem os cegos!

11 comentários:

as-nunes disse...

Ora viva Al Cardoso
Há quanto tempo não trocávamos uns cumprimentos!
Diz o meu amigo que tem andado adoentado. espero que esteja em franca recuperação.
Quanto à questão da regionalização em Portugal cada vez sou mais contra.
Somos um país pequeno e a actual divisão administrativa penso que serve bem. Assim as pessoas que estejam à frente das Câmaras Municipais e os Deputados que representam as zonas sejam pessoas capazes de lutar até à exaustão, como ´seu dever, pela defesa das suas regiões.
Um grande abraço, caro amigo
António

A. João Soares disse...

Para conhecimento dos algodrenses, tanscrevo uma poesia de um descendente da vossa terra:

Conversa fiada

Quando convosco converso
Para vos dizer, em verso,
O que acho controverso,
Eu bem queria ir p’lo anverso
Qu’é o lado menos perverso.
Só que logo de transverso
Não sei que lei do Universo
M’empurra para o reverso
Exactamente o inverso
Adverso, maniverso
Do atrás dito obverso.

Isto não está fácil, não
E é apenas o sermão.
Ainda falta dizer missa
Depois sai a procissão
Honrando SANTA JUSTIÇA.

Àparte o Vale e Azevedo
E o patriota Machado,
Aqui mais ninguém vai preso
Tão pouco será julgado.
Mas se for a tribunal
- O que duvido aconteça –
Nem lhe passa p’la cabeça
Que venha a ser condenado.
Por mais que seja culpado
E maior seja a ofensa
Lá vem a «douta » sentença:
Ou o réu é ilibado
Ou leva pena suspensa.

Fazem-se assaltos a Bancos
Outros a gasolineiras
Os sacos azuis são brancos
Trafulhices financeiras
Peculatos, roubalheiras
Assaltos à mão armada
Não lhes acontece nada!

Tráficos de influências
Com as devidas conivências
E outras tantas manigâncias
Sem disfarce e à luz do dia
As «virtudes» que faltavam
A «esta» democracia
Que tem por base os partidos
Que nunca serão arguidos

Mas é tempo de Natal
Vem aí a consoada.
Eles levam 100 milhões
Os pobres uma patada!
A Justiça outra facada!
(Tudo o resto é pó… é nada)
Boas Festas Portugal!!

Viçoso Caetano (O Poeta de Fornos de Algodres), Fev2009

NOTA: Do mesmo autor foram publicadas no blog Do Miradouro as poesias: Democracia, A (minha) mensagem, Ao Combatente do Ultramar Português, Que se passa, Portugal, diz Presente!!!

Abraços
João Soares

Amaral disse...

Al Cardoso
Como não sabia, deixo-lhe aqui e agora os meus parabéns.
Abraço

aluap disse...

Al Cardoso,
Parabéns e continue com a divulgação das terras de Algodres.

Uma Forninhense

JPCLEMENTE disse...

Parabén, caro Al. cardoso!
Que este espaço continue a "gritar" contra a desertificação do interior e que os problemas de saúde seja resolvidos rapidamente.
Um abraço amigo
JPC

NS disse...

Parabéns e um grande abraço!

Tozé Franco disse...

Embora com atraso, aqui ficam os meus parabéns e que conte muitos posts de vida.
Um abraço.

notoj@l disse...

parabéns, um pouco atrasados mas parabéns

Magno disse...

Parabéns, que continuemos a amar Fornos!
Talvez um dia, o concelho volte a ser a nossa casa, o nosso trabalho, a nossa vida!!!
Abraço,
Magno.

Mário Relvas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
redonda disse...

Parabéns!