quarta-feira, maio 04, 2011

Sera que e inevitavel, a extincao do Municipio "D'Algodres"!

Li com bastante desagrado, que a chamada "troica" impos como condicao para o financiamento da divida portuguesa, a obrigacao do proximo governo, implementar uma reducao no numero de freguesias e municipios em Portugal!
Escusado sera dizer, que indo avante como parece esta medida, o nosso municipio "D'Algodres", sera afectado.
Embora em certos casos ate possa concordar com a uniao, ou ate extincao de algumas freguesias, nunca poderei estar de acordo com a extincao do nosso Municipio e ainda mais, porque a razao principal da crise financeira e economica a que chegamos, foi causada pelos ultimos governos e, a contribuicao das autarquicas para esta situacao foi minima.
Mas e muito melhor continuar com a construcao do bendito TGV e, continuar a concentrar toda a riqueza na grande Lisboa. Pois e assim e que se consegue um desenvolvimento homogenio em todo o territorio!
Mas indo pela extincao, creio que o mais correcto, seria extinguiu todos os municipios deixando so o de Lisboa, que responderia a Bruxelas pelo resto do "pais" (ou regiao) e nesse caso, nem necessitamos governo nenhum nem parlamento e, generariamos muito mais poupanca!!!

9 comentários:

Idanhense sonhadora disse...

Estou ao seu lado na preocupação , amigo e "vezinho" beirão...O que será que se vai passar neste país ? Parece mesmo que se esqueceram de dizer à troica que há municípios com 900 anos de História , quando ainda os países desses senhores nem existiam. De facto quando será que este país abre os olhos e pensa diferente dos senhores do outro tempo que diziam : "Portugal é Lisboa , o resto é paisagem ". Olhe , pelo menos que nos devolvam a Lusitânia e nos deixem mostrar como estão enganados .
"Muntas vesitas "

Anónimo disse...

O meu amigo,devia-se preocupar mais com o bem estar das pessoas que vivem em Fornos de Algodres e preocupar-se menos com a extinção do concelho.Quem lhe diz isto também é beirão.
No estou de acordo que as Camaras tenham contribuido pouco para a situação que vivemos.Veja quanto devem.
Algumas Camaras nada fizeram para desenvolver o seu concelho e dar melhores condições de vida aos seus habitantes.
O meu amigo sabem qual é a divida por cada habitante de Fornos de Algodres? Olhe que ultrapassa em muito os 5 mil euros.

al cardoso disse...

Ao amigo Anonimo:
Agradecendo o comentario, so lhe queria dizer o seguinte, sabendo que a culpa da divida nao e da generalidade dos habitantes, o meu amigo cre que devido a isso, devemos obrigar os habitantes e so por esse motivo, a buscar os servicos ainda mais longe?

Um abraco dalgodrense.

aluap disse...

Muitos parabéns pelo artigo de relexão, é sempre bom ler textos de reflexão.
Também me desagrada esta medida aplicada às autarquias, na medida em que a minha freguesia estará neste pacote e porque o que se gasta com as juntas de freguesia é uma quantia ridícula comparado com o que se gasta no resto do país.
Mas estejamos de acordo ou não com as medidas, o que é certo é que três técnicos que desconheciam a realidade do país conseguiram em meia dúzia de dias o que muitas das nossas vedetas da economia e de outras artes não conseguiram em meses de debates e que a direita portuguesa aceita melhor uma imposição vinda do exterior do que negociar as soluções com os portugueses.

Um abraço forninhense

Anónimo disse...

Ao sr. Al Cardoso,quero dizer o seguinte:
Se o concelho for extinto,que ainda não se sabe,os serviços nele existentes continuam a servir a população.O problema é que as pessoas querem tudo à porta,mas nada fazem para desenvolverem a sua terra,e,só sabem criticar.
Muita gente tem reformas,que dizem ser pequenas,mas nunca descontaram para a segurança social.Acha que isto é justo?Penso que não.
Quanto às Juntas de freguesia,nem vale a pena falar,porque temos juntas a mais,que só dá para complicar a vida das pessoas.
Por um concelho ou uma junta de freguesia serem extintos,nunca perdem a sua identidade.
Devem sim pensar no bem estar da população.
Continuo a dizer que sou beirão e de Fornos de Algodres.Mas para mim o que conta é o bem estar dos habitantes da minha terra.Tudo o resto não interessa.
Um abraço para todos.

al cardoso disse...

Caro Anonimo:
Nao sei se sera como diz e os servicos continuaram a porta, logo veremos se se concretizar essa extincao, o que espero sinceramente nao aconteca.
E e por pensar no bem estar da populacao, que nao gostaria que se concretiza-se.
Tambem concordo que povavelmente num municipio pequeno como o nosso, se poderam sem grande problema unir ou extinguir algumas freguesias.
O que me custa mais a aceitar e uma provavel extincao do concelho emm si, e estou convencido que a grande maioria da populacao tambem. As excepcoes como o amigo creio que nao sao a regra, Mas posso estar enganado!

Um abraco dalgodrense.

Magno disse...

Amigo, Al:
Um dos maiores problemas em Portugal durante a chamada negociação da troika, foi a mesma que no meu entender levou ao pedido de ajuda a ESPECULAÇÃO.
Se por um ládo fala se à muito tempo a extinção de muitos municipios, por outro tem de se observar, as lides do serviço público junto das populações.
O cerne da questão coloca - se a meu ver a forma como o serviço publico local é gerido, pois muitas das vezes observa - se fenómenos de abuso, e de falta de fiscalização dos orçamentos que cada serviço local dispõem veja se o caso da saúde, eo método de entrada por cunha em muitos organismos públicos.
A extinção de conelhos, pode por um ládo promover uma maior competitividade económica, de um aglomerado de concelhos em relação à Area Metropolitana de Lisboa e Porto, que como se sabe são em Portugal as zonas mais competitivas do país, porque é aqui que se encontra o maior investimento, e poder de compra.
Fornos de Algodres, faz parte dop ponto de vista estatisitco da NUTE III - Serra da Estrela, juntamente com Gouveia e Seia, sendo que o concelho de Seia é o mais dinâmico economicamente.
A população de Fornos de Algodres ronda os 5000 mil habitantes segundo os dados de 2001, se comparamos com alguns concelhos do Alentejo, possui uma população superior, no entanto é dos três concelhos da NUTE III - Serra da Estrela o que menor população apresenta.
Por outro ládo situa - se sensivelmente a meio de duas capiatais de distrito, (Viseu e Guarda). Muito do seu crescimento económico pode reflectir - se do dinamismo que estas duas cidades apresentam, no entanto o maior problema a meu ver prende - se com a falta de associativismo por parte dos investidores locais, e da falta de investimento por parte de privados durante os anos 80 e 90, no concelho que fez com que muito do patrimonio economico de Fornos de Algodres fosse desaparecendo (produção de Queijo da Serra).
Hoje em dia pelo que me é dado a observar, o concelho tem tido algumas tentativas de promoção turisitca do mesmo, é de realçar que do ponto de vista economico, alguns investimentos privados com qualidade tem se apresentado no concelho, ainda de modo disperso e pouco associado fruto de uma mentalidade associada à organização agricola do minifundio, que ainda hoje prejudica e muito o concelho a nivel de competitividade economica.
Só um verdadeiro dinamismo economico, pode ajudar a combater a extinção do concelho. Postos de trabalho precisão se!!
Abraço,
Magno.

al cardoso disse...

Caro Magno:

Bem haja pelo excelente comentario, de facto a sua ultima fraze simplifica, o que faz ou faria este municipio mais forte:
"Postos de trabalho precisam-se"!!!

Um abraco de amizade.

Anónimo disse...

Caro Amigo Albino!

Este comentário serve para lhe dizer que o Concelho de Fornos de Algodres está bem financeiramente e recomenda-se! Não tenha à frente dos destinos Municipais um individuo que há mais de 20 anos controla os destinos deste Concelho e que tem sabido levar a sua avante (leva-a direita)...