domingo, maio 08, 2011

VI JORNADAS DE ETNOBOTANICA; 13, 14 e 15 de Maio.

No proximo fim de semana, realizam-se na "Terra de Algodres", as VI Jornadas de Etnobotanica e a III Semana da Urtiga, que tem este ano como tema, a "Urtiga" e o "Pao".
A vila de Fornos de Algodres, que herdou o seu toponimo de "lugar dos Fornos", embora eu esteja convicto que eram "fornos" de cozedura ceramica, ha quem creia que eram de cozer pao, portanto na duvida, o pao esta de qualquer maneira relacionado com Fornos de Algodres, ate porque ainda ha umas decadas, aqui se produzia muito centeio, trigo e milho, cereais dos quais se produz um pao excelente.
A urtiga por sua vez, uma planta que por vezes era considerada menor, devido a comichao que produz, a quem a manuseia com menos cuidado. Dela esta comprovado o seu valor vitaminico e podem produzir-se atravez desta planta productos e alimentos de qualidade, ao mesmo tempo muito saborosos.
Como existe em Fornos a unica "Confraria da Urtiga" em Portugal, nada mais correcto incluir nestas jornadas esta planta que muito bem pode ser associada ao pao.
Quero convidar todos os meus amigos, a participar nestas jornadas, que tem a particularidade de serem originais e diferentes, venham que irao gostar certamente.
Podem ver o programa completo e a ficha de inscricao, aqui: www.cm-fornosdealgodres.pt

10 comentários:

Idanhense sonhadora disse...

Belas jornadas em tempos como estes em que tanto precisamos de pão a acompanhar um "caldinho" de urtigas ...
Que os mais novos vão aprendendo algo....
Que as jornadas corram da melhor forma .
Saudações raianas
Quina

aluap disse...

Os fornos sempre estiveram ligados às nossas terras, mas também eu estou convicta que o topónimo Fornos poderá estar associado aos fornos de cerâmica ou, então, ao lugar, tipo cova, abrigo, quente.
A urtiga sempre foi usada como um produto medicinal e também de beleza, já na área da alimentação penso ser coisa recente, estarei enganada?
De qualquer forma já ouvi falar muito bem da sopa de urtiga, que ainda não provei, mas ao que parece estará para Fornos D´Algodres como a sopa da pedra está para Almeirim.

Espero que seja um excelente fim-de-semana

Idanhense sonhadora disse...

Olá , viva ! Acabei de ver nas notícias da SIC o sucesso das jornadas que anuncia . Até aprendi que a urtiga é boa para o stresse. . Gostei de ver.
Parabéns da vezinha beirã

Viagens pelo Brasil - Conheço essa cidade disse...

Parabens pelo blog, bastante instrutivo e interessante. http://nossasviagenspelobrasil.blogspot.com/

Anónimo disse...

Caça aos Reis!

Anónimo disse...

Só é pena que os Confrades sejam todos do PSD,isto é, a Confraria é mais uma Secção do PSD do que outra coisa, Paga gente de Fornos, enqunato não abrires os olhos a fdivida por habitante será cada vez maior, mas isto não interessa, tenha coragem e fala da divida em vez de falar de festas e festarolas.

al cardoso disse...

Caro Anonimo:

A menos que eu esteja errado, a confraria esta aberta a quem dela quizer fazer parte, nao creio que seja obrigado a ser do partido A ou B.
O que acontece e que normalmente as pessoas e que nao querem fazer parte nem estar presentes nestas actividades, pelo menos e essa a minha impressao.

Um abraco dalgodrense.

Anónimo disse...

Em resposta ao anónimo das 1.55PM, só lamento que fique preocupado e indignado quando as coisas correm bem e se fala bem de Fornos na comunicação social e são elogiadas por muita gente de cá e de fora.
Quanto aos confrades serem todos do PSD, isso é pura mentira, porque eu conheço alguns que são do PS e do CDS, e provavelmente o anónimo também os conhece.
Quanto á divida devemo-nos é preocupar com a divida de PORTUGAL, essa sim é bastante preocupante

Eddy Nelson disse...

tive pena de não poder estar presente...
contudo, é de aplaudir iniciativas destas fora dos "centros" de capitaçização do conhecimento...

um grande abraço

Magno disse...

Pequenas iniciativas podem ajudar a potencializar o concelho. Talvez a existência de um maior ordenamento em algumas aldeias do concelho e limpeza de algumas matas privadas podem ajudar a criar empregos, e a fixar pessoas. A urtiga deve ser vista como uma matéria-prima para criar indústrias baseadas nesta matéria-prima, desde a cosmética, até à hotelaria. O IMPORTANTE AGORA É INOVAR