sexta-feira, julho 14, 2006

A A25 e FORNOS

Segundo as ultimas noticias, vai ser inaugurado amanha pelo ministro Lino (o de Portugal e Espanha terem uma historia e lingua comum) o troco da Auto-Estrada-25 entre Guarda e Mangualde, quer isto dizer que a minha terra (Fornos de Algodres) passara a ficar ligada aos grandes nucleos urbanos por auto-estrada.
Seram boas noticias? Creio que sim, no entanto devo notar que o nosso municipio, sempre teve a dita de estar bem servido de boas vias de comunicacao, no entanto nao tem sido por isso, que tem tido o desenvolvimento que outras regioes tiveram.
Se e certo que com boas vias de comunicacao, e mais facil virem visitantes, tambem e verdade que com elas tambem e mais facil o despovoamento das nossas terras, e, e isso que tem sucedido paulatinamente, desde o primeiro quartel do seculo passado.
Quero pensar que daqui para a frente sera diferente, mas se nao forem criados postos de trabalho, nao se invertira essa tendencia.
A camara municipal quero deixar um repto, se realmente queremos captar turismo para o nosso municipio, havera que colocar junto a essa via "outdors" publicitando os nossos monumentos arqueologicos e historicos, coisa que nao acontecia com o defunto IP-5.

13 comentários:

O Micróbio II disse...

Os "outdors" são sem dúvida uma boa chamada de atenção e uma boa fonte de informação...

Sulista disse...

tambem acho uma excelente ideia isso dos Outdoors, boa!

Quanto às auto-estradas inicialmente foram criadas para os de fora virem cá vender os seus produtos e levarem o dinheiro mas enfim, hoje em dia, já tanto servem para vir como para ir...e é claro que isso implica a desertificação de muitos sítios. Especialmente, se essas terras não oferecerem empregos, trabalho.

Abraço do Sul

mao morto disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
mao morto disse...

Dantes era o que se sabia, uma rede viária que metia dó, agora as queixas são por causa dos "efeitos nefastos" das Auto-Estradas?

(Só será inaugurada amanhã? Mas já está em funcionamento!)

Pete disse...

As vias de comunicação são um avanço, mas se não criarem meios para a população se fixar de pouco servem, a não ser de porem um local como ponto de passagem.

Um Abraço e bom fim-de-semana,

Pedro Gonçalves.

Sulista disse...

e eu julgar que a era das auto já tinha acabado...

O primeiro-ministro disse hoje que a ab ertura de 30 quilómetros da auto-estrada 24, entre Pedras Salgadas e a fronteira, em Chaves, coloca Trás-os-Montes na era das auto-estradas e repara uma injustiça de décadas.

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=236319

Abraço do Sul

al cardoso disse...

O Sulista:
As auto estradas ainda estao para durar, so as sabem fazer aos buchechos.
Entre o EP3 (Santa Comba Dao) e perto de Canas de Senhorim, ja o Cavaco quando PM, iniciou uma que era para ligar ao defunto IP5 agora A25, que ainda esta no mesmo sitio como elrei Cavaco o deixou.

Como ve os "Patos Bravos" quero dizer excelentissimos empreiteiros, tem muito betao e asfalto a gastar.

mao morto disse...

Julgo que esse IC 12, Al, é para ligar a A25, em Mangualde, à (ainda) incompleta A 17, em Mira. A rede rodoviária melhorou, mas estou a pensar começar a verter as águas para o´depósito de combustível, para ver se amistura funciona e se poupo uns cobres.

Fica bem!

MORFFINA disse...

Boa ideia!
Uns "outdoors" para os que vêm dos "outdoors" e dos "indoors" também.
"Há 25" razões, pelo menos, para visitar Fornos e arredores.

Abraço

MF

Anónimo disse...

Primeiro Ministro, roçando a traição
Mais uma vez veio ao-de-cima a polémica sobre a construção do TGV e do
aeroporto da Ota.
Os portugueses, esses, continuarão fiéis a Portugal.

de Brites de Almeida / Beja - Alentejo

O Presidente da República, avisou e disse que o tema deve ser debatido,
porque o investimento é demasiado alto, demasiado grande e pode ter
demasiadas consequências, para que se tome a decisão de investir milhares
de milhões em obras que não vão ter retorno. Sócrates, em jeito de
resposta, e com a sua já tradicional sobranceria, avisou que não havia nada
a discutir.
As palavras do primeiro ministro, roçando a traição, serviram também para
confirmar a visão provinciana que José Sócrates tem de Portugal, como
província da Ibéria, ou melhor dizendo, para chamar os bois pelos nomes, da
Espanha.
Qualquer imbecil, entende que numa rede de caminho de ferro de alta
velocidade, a viabilidade está limitada pela possibilidade de concorrência
entre o avião e o combóio. É evidente que mesmo a 300Km/h, um combóio
demora três vezes mais que um avião para se deslocar de Lisboa a Paris.
Além disso, para cumprir com os desígnios imperiais da Espanha, qualquer
TGV português terá ainda por cima que se desviar centenas de Quilómetros,
na direcção da capital imperial (Madrid) para poder depois seguir o seu
destino em direcção a Paris.
O TGV português entre Lisboa e Madrid, é um investimento inútil, patético,
que lembra a construção da auto-estrada Lisboa-Madrid que ainda hoje está
às moscas e que foi inaugurada e construída antes de se construir a
auto-estrada para o Algarve. A ligação à capital imperial em Madrid, parece
que está acima da ligação entre Lisboa e Faro.
É o mesmo tipo de gente, que construiu uma auto-estrada entre Lisboa e a
fronteira, com destino a Madrid, esquecendo quem trabalha e as empresas
portuguesas que precisam de uma estrada para a Europa, como é o IP-5 ou o
IP-4, as quais foram sacrificadas em nome do iberismo criminoso de
politicos de vistas curtas residentes em Lisboa e rendidos e deslumbrados
com las luces madrilenas, de onde ainda esperam que venham subsídios ou
empregos em empresas espanholas como as Iberdrolas da vida.
Já cometemos no caso das auto-estradas o erro de construir na direcção de
Madrid, quando os portugueses não querem ir para Madrid e continuam a não
passar por Madrid para ir e vir da Europa. Os nossos imigrantes
continuaram a utilizar as estradas que ligam ao IP-4 e ao IP-5 e nunca
passaram por Madrid.
Porque razão nos querem obrigar a passar por Madrid à força ?
A construção do Aeroporto de Lisboa na Ota, estará tão longe da cidade
propriamente dita, que ficará mais simples ir de Lisboa a Madrid de TGV do
que de avião.
Se o aeroporto fosse construído em Rio Frio, a maior proximidade de Lisboa,
inevitavelmente vai fazer com que Lisboa-Madrid de combóio seja mais lento
que Lisboa-Madrid de avião. Além disto, a linha Madrid-Lisboa só é
economicamente viável se os espanhóis garantirem que chega a Lisboa, porque
se o TGV espanhol parar em Badajoz, será um fracasso comercial de todo o
tamanho, porque não há trafego na paupérrima Extremadura espanhola,
sustentada com o dinheiro dos subsídios das autonomias ricas do norte para
justificar o TGV.
Os espanhóis defendem os interesses deles, e para o fazer pressionam o
governo português, com os seus tradicionais protestos de amizade eterna e
boa vizinhança, que a Espanha nunca cumpriu e sempre traiu e violou de
forma absolutamente vergonhosa. A Espanha não cumpre tratados. Não cumpre
o Estado Espanhol, como não cumprem as empresas espanholas. É uma
característica castelhana que ficou de séculos e séculos.
O Zé portuguesito - como o iletrado Mario Lino, que sob o efeito de um pifo
monumental que apanhou na Galiza até afirmou que Portugal e Espanha
partilham uma língua comum - fica todo derretido quando o espanhol,
adulador, fingido, vil manipulador e mentiroso lhe faz rasgados elogios.
Mario Lino e Sócrates, não passam de patetas rendidos aos bons modos e às
boas maneiras dissimuladas da diplomacia espanhola, que é fonte de todos os
salamaleques enquanto precisa do sim português, mas que como mostra a
História, mesmo já depois da adesão à União Europeia, viola acordos, não
cumpre as regaras e age de forma traiçoeira quando Portugal deixa de ser
necessário.
Será que os herdeiros daqueles que acreditaram no passado que com o tempo
Portugal havia de se integrar no império castelhano, que hoje conhecemos
como Espanha, continuam a achar que com o tempo, os portugueses se vão
habituar a ser parte desse império construído em cima do sangue, do ódio e
da xenofobia mais criminosa e pútrida de que há memória na Europa?
De Espanha, nem bom vento nem bom casamento. De Castela, só virá ódio,
morte e engano. Quem nos quer ligar ao país que mais fez para nos tentar
destruir primeiro como nação e depois para destruir a nossa imagem como
país independente, está a decidir de que lado da barricada está.
Os portugueses, esses, continuarão fiéis a Portugal.

Brites de Almeida, Beja

CMatos disse...

O língua morta disse "(Só será inaugurada amanhã? Mas já está em funcionamento!)"

O problema é que foi inaugurado um troço de Auto Estrada, que ainda continua em obras, e onde nem é possível transitar a mais de 100 Kms hora (os sinais estão lá)!
Que raio de inauguração essa...

sa morais disse...

Acredito que as estradas sejam boas e possam trazer mais visitantes e mais comodidade - também me dá jeito o novo IP5. Mas Portugal abusa da politica do alcatrão e só o alcatrão não traz aquilo de que mais precisamos: Empresas criadoras de emprego! Se apenas a acessibilidade contasse, Portugal já estaria certamente repleto de empresas e isso não acontece, pelo contrário... O que se vê é empresas a fugir, parques industriais vazios, apesar de sermos um país pequeno e com boas estradas.
Creio que quem enche os bolsos são outros...

abraço.

já coloquei o link deste blog no meu.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.