terça-feira, julho 11, 2006

A MORTE E INCENDIOS OUTRA VEZ

Tenho pela morte muito respeito, o mesmo talvez nao possa dizer, quando falo de certas decisoes dos nossos governantes.
Vem isto a respeito das terriveis mortes de seis homens, consumidos por um incendio deflagrado em Famalicao da Serra no meu distrito da Guarda.
Alguma coisa nao tera corrido bem, ou nao estava bem planeada, por parte dos tais grupos de primeira intervencao tao propalados pelo governo.
Esperemos pelos resultados do inquerito, mas pelo que estamos habituados, nao sera de estranhar que seja inconclusivo, ou o mais natural que a culpa seja dos pobres defuntos.
De estranhar tambem que sendo os chilenos tao experientes em fogos florestais, tenham a infelicidade de falecer cinco desta vez e dois o ano passado!
Isto coloca-me uma questao, sera que sao mesmo experientes? E sendo-o sera o nosso pais tao morfologicamente diferente, que proporciona este tipo de armadilhas em que ficam encurralados?
O "socratico governo" depois da desgraca do ano anterior, veio tentar convencer-nos que sim desta vez estavamos preparados, eu sabia de antemao que nao estavamos, o grande incendio do Minho e, este agora em que temos a chorar a vida de seis homens, so vem provar, que o que eu temia esta a acontecer.
Sou natural de uma regiao de floresta, mas que as poucos se esta a transformar em deserto, devido aos incendios sucessivos e desde crianca sei o que sao incendios, por algumas vezes tambem fiz papel de bombeiro sem nunca o ter sido. Por isso tenho uma ideia razoavelmente boa, de como se deve combater um incendio, sei que um incendio para se dominar com sucesso, tem que ser na faze inicial, mas nao sera so com uns poucos grupos de intervencao rapida, que se resolve a situacao, resolve-se sim com a prevencao, que comeca com a limpeza das florestas que deve ser todo o ano, com bons sistema de vigia e principalmente com a entreajuda das populacoes com os bombeiros.
Porque razao os incendios ha trinta e quarenta anos nao atingiam as proporcoes dos de hoje? Porque nesses tempos embora houvesse algumas excepcoes, as florestas estavam limpas, ao primeiro sinal de incencio e ao toque do sino, as populacoes juntavam-se e todos com os meios rudimentares que tinham, vinham ajudar e, muitas vezes quando os bombeiros chegavam so ja faziam o rescaldo.
Mas o que se passa, e que os nossos governantes nao sabem o que eram esses tempos, ou porque os nao viveram, ou porque nunca tentaram educar-se, informando-se.
Quantos mais portugueses e chilenos teram que morrer?
Mas o problema esta resolvido, porque foi decretada a proibicao de deitar foguetes nos meses de verao,
Que triste ignorancia!!!

8 comentários:

Fátima disse...

"Porque razão os incendios ha trinta e quarenta anos nao atingiam as proporcoes dos de hoje?"
Esta é a pergunta que eu tantas vezes fiz, com os meus próprios botões.
Revelo completamente o meu desconhecimento porque nasci e cresci num meio urbano. mas faz sentido a explicação avançada.
Consciência ambiental? De grupo? Sentimento de pertença? Coordenação de esforços? Temos falta de isto tudo?Isto parece ser, de facto, um problema sistémico. Não pode ser "atacado" numa só frente
Um abraço

Sulista disse...

O mal é sempre o mesmo...o governo mente dizendo que desta é que é, que agora já existem meios de combate rápido aos fogos, legislação para a limpeza das florestas e mato...pois...talvz esteja tudo no papel porque na prática, é o que se continua a ver.
...tristeza!

Abraço do Sul

MORFFINA disse...

De lamentar, de facto, profundamente a morte de seis homens, cinco dos quais, longe das suas famílias e um jovem que estava prestes a casar e que era muito dinâmico na sua comunidade local, não só como bombeiro. Uma colega minha, cujo marido é de Famalicão da Serra, teve grandes prejuízos ficando, praticamente, "apenas" a casa que tinham naquela zona de pé.
É óbvio que é pouco comparado com as vidas perdidas. Esses perderam tudo.
A tristeza e destruição à volta destes acontecimentos são gravíssimos. Uma zona que era lindíssima com uma paisagem verde frondosa e esplendorosa. Não há palavras que possa exprimir a frustração neste tipo de acontecimento. Terá sido o acidente, segundo se diz. Enfim ... A vida tem pouco de justo e razoável.
Espero que haja muito mais cuidado por parte de todas as pessoas. Muitas vezes as coisas são feitas de ânimo leve. Tem que haver mais consciência.

Abraço

MF

Pete disse...

Ai proibiram o lançamento de foguetes, só mesmo aqueles cromos para se lembrarem de um assim.
Eles só pôem os "boys" à frente do SNB e de todos os que tentam combater os incêndios e depois dá nisto.

Um Abraço e boa semana,

Pedro Gonçalves.

José Costa disse...

Parece que afinal, foi um miúdo de 19 anos que ao andara limpar mato com um motoserra, provocou este incêndio. Trabalho esse que foi a mando de um engenheiro florestal. Este fim de semana stive em Valhelhas, povoação bastante próxima de Famalicão da serra e com a temperatura e o as condiçoes do terreno não haveria brigadas de intervenção rápida que valesse. De quem é a culpa??? Eu aponto para a consciência social, ou a falta dela, do senhor engenheiro florestal, que pr sinal até sabe umas coisas sobre o que se deve e não deve fazer nesta altura do ano nas nossas florestas.
Abraço

antonio disse...

Realmente é triste que todos os anos se repitam as mesmas desgraças.Todos os anos se prometem mais meios, todos os anos se fazem novas leis, mas o que acontece é exactamente o mesmo dos anos anteriores. Algo está mal e quem sofre são sempre os mesmos.Será que há mesma vontade política para acabar com este flagelo? Eu já começo a ter muitas dúvidas.

Sem Quorum disse...

Olá!
Quero manifestar a minha integral concordância com o conteúdo deste post e acrescentar só que, entre outras razões, antes de 74 o sector primário era muitíssimo mais importante do que é hoje, pelo que a limpeza das matas era um facto e havia menos incêndios. Mas também a especulação dos barões do imobiliário era mais comedido e dava os primeiros passos.
Abraço,
ALM

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.