sexta-feira, setembro 21, 2007

Porque Nao, Na Nossa Terra!!!

Vista parcial de Fornos d'Algodres, com a Serra da Estrela ao fundo!

Ja na entrada de 11 de Setembro, deixei a preocupacao de que a reducao do IRC, propagandeada pela "Socratissima Persona" na Guarda, por si so nao seria suficiente para resolver os problemas do interior cada vez mais desertificado, onde esta incluido o meu municipio!

Estando convicto de que o Governo pode fazer mais, tambem o estou, de que devem partir das autarquias outras medidas ao seu alcance, para complementar os incentivos para novos investimentos productivos, fixar populacao e criar riqueza.

A gente, e sem duvida nenhuma a maior riqueza, que pode possuir uma localidade, um concelho, ou uma regiao, ora as nossas, estam a ficar cada vez mais pobres, porque cada vez estao mais minguadas de gente.

E por isso que medidas tomadas recentemente pelo municipio de Penalva do Castelo, e agora pelo concelho do Fundao, em reduzir o IRS, e concedendo incentivos para a fixacao de gente jovem, sao de aplaudir, e e isso que estou aqui a fazer, enquanto apresento estes exemplos aos autarcas do meu concelho "d'Algodres".

Porque a menos que desejem o continuo despovoamento, algo tem que ser feito e rapidamente! Usemos a nossa excelente localizacao, as nossas belas acessibilidades e a nossas potencialidades, para num futuro que se deseja, transformar a vila de Fornos em cidade, a nao ser que desejem que baixe a categoria de aldeia!

12 comentários:

Quint disse...

Al Cardoso, meu amigo, presumo que se queira referir à redução do IRS, medida contemplada na Lei de Finanças Locais e não ao IVA?

Amaral disse...

Al Cardoso
Acho que esse seu desejo ainda se vai realizar, isto é a baixa do IRS.
Quanto a Fornos vir a tornar-se cidade?... Que me desculpe, mas acho que não tem condições para isso. Mas se cumprir as exigências, pois que o seja.
Não leve a mal.
Abraço

Anónimo disse...

Cidade será um sonho ! mas sempre que o HOMEM sonha o mundo pula e avança! Eu tambem entro nesse sonho.
grande abraço Mano
António Cardoso

Maria disse...

Saudades desta paisagem....
Há quase 4 anos que não vou a Fornos...

Um abraço

al cardoso disse...

Caro Amaral:
Bem haja pela correccao, de facto devia ter escrito IRS.
Ja quanto a Fornos ser cidade, nao a vejo nestes tempos proximos com capacidade para isso, no entanto se houvesse um desenvolvimento possivel e desejavel, quem sabe um dia! Foi por isso eu escrevi "futura cidade", alem disse como escreveu o meu mano, sonhar nao custa nada "e quando se sonha o mundo pula e avanca" como dizia o Poeta!

Um abraco a ambos.

al cardoso disse...

A primeira parte do comentario anterior tambem e para o amigo: Quint, com um bem haja e um abraco.

Alexandre Lote disse...

Amigo Al, de facto essa seria uma medida importante, no entanto não sei qual é a saúde financeira das Câmaras do Fundão e de Penalva. Ao que parece a nossa Câmara financeiramente está muito asfixiada, em parte devido à nova Lei das Finanças Locais. Assim não sei se terá a engenharia financeira necessária para suportar essas medidas, mas essa seria de facto um opção a ter em conta!

Quanto a Fornos de Algodres ser cidade...que me desculpem mas entendo para quê! Que benefícios traria isso para o concelho? Na minha opinião nada! Mais importante que ser cidade medíocre é ser um vila de referência...e é nesse conceito que fornos tem de apostar! Afirmar-se enquanto Vila sem qualquer tipo de pretensão de ser cidade!

P.S: Lanço uma ideia no meu blog ligada ao queijo e à forma como o mesmo poderia atrair os visitantes do hotel de Vila Ruiva para o nosso concelho. A ideia está na zona de comentários. Passe e opine!

Cumprimentos fornenses, Alexandre Lote

www.opinarparavancar.blogspot.com

redonda disse...

A fotografia é lindíssima, a ideia do despovoamento, preocupante...

Sulista disse...

Grande foto! A Serra vista de tds os lados, é uma maravilha!

Oxalá consigam os objectivos pretendidos...

Abraço do Sul :-)

A. João Soares disse...

Cidade? Porque não, num futuro, mesmo que um pouco distante? Há quem defenda que as aldeias deven+m desaparecer por razões logísticas: a população de um concelho deveria concentrar-se apenas numa urbe com todos os apoios urbanos de qualidade. Ficaria melhor servida em saúde, ensino, segurança, serviços vários. Os trabalhos agrícolas, hoje são menos absorventes de mão de obra e esta deslocar-se-ia da urbe para os locais de trabalho e regressaria ao fim do dia.
Talvez os ministros que são acusados de estarem a desertificar o interior tenham esta ideia embora não saibam explicá-la aos cidadãos.
Para começar devem as Câmaras começar a delinear as grandes linhas urbanísticas das urbes do futuro, para não crescerem ao acaso, como aconteceu com os arredores de Lisboa.
Temos que opinar para avançar, não é?
AJS

joão oliveira disse...

Ola Cardoso.

T~em que se criar condições para se poder viver no Interior do nosso país, sejam elas de ordem.
IRS, IRC, apoios empresariais e familiares, etc

um abraço

Anónimo disse...

Meu caro AlCardoso,
a este propósito, deixo-lhe um repto para reflexão, neste seu ilustríssimo Blog.
Numa altura em que o Governo está a descentralizar serviços da Direcções Regionais, veja-se:
- Agricultura para Castelo Branco;
- Economia para Aveiro;
- Educação para Viseu;
- Turismo...
...
Levanta-se a questão: E para a Guarda? Com que migalhas somos contemplados?
Um abraço do PiscodaLapa.
(reimouro@gmail.com)