terça-feira, março 28, 2006

MATERNIDADES & OUTRAS COISAS

Ja ha tempos que me quer parecer, que o nosso PM esta a tentar vender (ou ja vendeu) o nosso Portugal(zito) a "los espanoles". Mas agora quando se decide encerrar a maternidade de Elvas, e por as senhoras daquele concelho e arredores, a "parir" em Badajos, coisa que nem lembrava ao diabo, vem dar razao as meus pensamentos. Devemos estar mesmo mal de financas e, ou, nao ter-se mesmo nenhum amor proprio, para por-mos os nossos filhos a nascer em pais alheio.
Elvas nao e capital de distrito mas tomar essa decisao, so indicia que em territorio nacional nao existe outra maternidade relativamente perto, o que por si so justificaria a continuacao.
Mas tambem entre nos, existem varios iluminados, que advogam o encerramento da maternidade da Guarda, e por as mulheres do distrito a cumprir a missao "parideira", no de Castelo Branco.
Desta vez talvez ainda escape, porque as clientelas partidarias ainda parece terem alguma influencia, mas vamos pondo as nossas barbas de molho, porque os senhores doctores talvez prefiram viver em Coimbra, que tem temperatura mais amena. E como este (des)governo talvez deseje e satisfazer o importante lobi dos medicos entre outros, e como o interior ja tem tampouco, ha que tirar-lhe o que resta.
Isto e realmente a evolucao no seu melhor e, o verdadeiro desenvolvimento do interior.
Nao tera vergonha esse "cavalheiro" em ainda vir votar a Covilha?

7 comentários:

Belzebu disse...

Será que é para cumprir o velho lema de que passamos a vida a abrir as pernas aos Espanhois?

ehehehehe!

Anónimo disse...

Estão a ter filhos a mais, fechem-lhe as maternidades, isto não pode ser... não é uma questão económica...não senhor, o distrito está muito povoado, a culpa é do Sancho I!

al cardoso disse...

De Espanha nem bom vento nem bom casamento, tenho ouvido dizer desde pequenino.

Pisco da Lapa disse...

É efectivamente caricato o motivo invocado para encerrar as maternidades do interior. Tudo serve para agredir esta região que teimosamente vai lutando pela sobrevivência e dignidade a que tem direito.
Qualquer dia teremos apenas uma Maternidade Geral de Lisboa.

mao morto disse...

Já que se vai tanto a Badajoz para abortar...

Organizem-se excursões! Proponho o seguinte itinerário:
1. gasolineiras;
2. casas de "recuerdos" (caramelos, etc);
3. supermercados;
4. "Clínica dos Arcos - Abortos" ou Maternidade - riscar o que não interessa.

Belzebu disse...

Eu proponho que sejam atribuidos caramelos a todas as parturientes que optem por Badajoz. E depois a questão da nacionalidade é para discutir na proxima cimeira!Podemos perfeitamente trocar uma barragem por umas tantas criancinhas!

Anónimo disse...

Então e o aumento das taxas moderadoras? Os que menos têm parecem ser os que mais pagam a saúde.
E não há vergonha de apresentar os fabulosos lucros da banca, enquanto o resto aperta o cinto e sabe Deus...