quarta-feira, fevereiro 20, 2008

"O Mes do Queijo da Serra" V

Uma parte da minha familia sempre foi de agricultores, pastores e queijeiros, coisa que foi interrompida pelos meus pais e tios, pelo que ate aos meus dez anos de idade, fui criado dentro da area do queijo da "Serra", e tenho uma nocao muito boa da sua problematica.
E precisamente por isso, que nao consigo entender porque razao, um producto de tanto renome e com nome feito, nao so no pais como ate no estrangeiro, esteja a atravessar as dificuldades que esta!
Se calhar ate entendo, mas provavelmente vao dizer-me outra vez, que sou uma "sumidade" e, que venha por em pratica estas simples ideias!
Temo que, principalmente no nosso municipio, deixamos perder as melhores oportunidades para por em pratica o que eu vou apresentar, pois os fundos de Bruxelas, ja se foram sem originarem riqueza que fica-se a reproduzir-se para o futuro.
Muitos dos actuais productores queixam-se muito, mas pouco fizeram ou fazem, em cooperacao uns com os outros, pois todos preferem ter um "rebanhito" e uma "quintita" do que juntarem-se e formarem equipamentos productivos grande suficientes, para poder controlar o producto desde a producao ate ao consumidor.
Muitos aproveitaram dinheiros comunitarios para fazer queijarias higienicas e mais ou menos modernas, para agora estarem abandonadas e, portanto sem produzir nenhuma riqueza.
E isto porque? Porque as novas geracoes abandonaram este tipo de actividade, porque e muito melhor terem um curso universitario, sem futuro nem colocacao, do que continuarem a trabalhar numa area rentavel e com futuro, mas que obriga por vezes a sujar as maos!
Mas ate isso poderia ser obviado, porque nestes tempos de novas tecnologias, ja nao e necessario andar atraz do rabo das ovelhas, pois existem vedacoes electricas e camaras de video para guardar os rebanhos, ja nao e necessario ordenhar as ovelhas a mao, porque existem ordenhas mecanicas e, a unica coisa que tem que continuar-se a fazer a mao, para que o queijo continue a ser o nosso "Serra", e o queijo em si, mas isso faz-me debaixo de telha!
Mas para estas coisas poderem ser implemantadas era necessario sair-mos no nosso conformismo, do nosso individualismo e, formar empresas de grandeza media, comprando ou arrendando as terras fertilissimas hoje abandonadas, fazendo por exemplo cooperativas "honestas", que por sua vez ate poderiam ter lojas para a venda do producto, nas varias cidades nacionais e ate europeias!
Serei talvez um visionario e como disse, creio que as oportunidades ja as deixamos passar, no entanto ainda continuo com a conviccao, de que se quizer-mos, Fornos e o seu concelho, voltara a ser a referencia que ja foi, no que respeita ao "QUEIJO DA SERRA" com Estrela ou sem ela.

3 comentários:

Klatuu o embuçado disse...

Quando para os políticos Portugal é Lisboa... não é de admirar!

Abraço.

Isabel Magalhães disse...

Amigo Al;

Muito pertinente este seu artigo. Penso que em França, nas regiões de queijo tradicionalmente artesanal, é assim que a coisa funciona. Moral da história, está tudo inventado basta copiar. Mas é preciso QUERER! :)

Um abraço e as nossas saudações monárquicas.

I.

Flor disse...

Por que será não?
Em todos os lugares esta ocorrendo esta busca pelo que não é artesanal, nao é agricultura ou criação de gado, ou algo a que se trabalhar nas fazendas e chacaras do mundo... todos querem ter diploma, mesmo sem futuro para estes profissionais... porque?
Que acontece com os jovens que nao valorizam mais os trabalhos de seus antepassados, ou seria a sociedade que nao os valoriza mais?
E na mao contraria, os consumidores estao avidos por produtos menos industrializados, mais organicos, mais artesanais.
Que acontecera?